Não sabem o risco que correm

Qual é o meu perfil?

Essa resposta pode parecer simples, mas não é.

Começamos “crianças” nos investimentos e talvez sempre sejamos. Com a economia cada vez mais globalizada, não pense que você está no controle.

O Brasil, apesar de ter sido classificado a 8ª economia do mundo em 2017, possui rating BB- segundo a agência de classificação de risco Standard & Poor’s. Como disse o presidente, investir no Brasil é um esporte de altíssimo risco.

O importante é entender que o risco sempre existe e o mercado precifica isso.

Sabendo que tudo tem seu risco, você precisa só entender qual o nível de risco você está disposto a correr. A classificação do perfil do investidor normalmente é uma dessas três:

  • conservador;
  • moderado;
  • agressivo.

Quando abrimos conta em uma corretora preenchemos um questionário para identificar nosso perfil de investidor, assim a corretora pode habilitar os serviços e indicar os produtos mais adequados para você. Você pode encontrar um exemplo desse questionário neste link.

Conservador

Se protege de tudo que é jeito, mas nada devagar

Quem se enquadra neste perfil normalmente tem pouco conhecimento dos produtos oferecidos no mercado e/ou baixíssima tolerância a riscos.

Se você está nesse perfil, provavelmente seu maior desejo é conservar o seu patrimônio e está disposto a assumir um nível de risco baixo em troca da perspectiva de superar ligeiramente a taxa de juros nominal (CDI).

A volatilidade (a oscilação dos valores/preços) não é para você, que procura manter a sua carteira de investimentos em produtos de renda fixa, possivelmente com alta liquidez.

Investidores deste perfil normalmente alocam seus recursos em poupança, imóveis (físicos), Tesouro, CDBs, LCA/LCI e fundos de renda fixa. Conheça mais sobre os tipos de investimento.

Moderado

Salta, mas com alguém guiando

O Perfil moderado por sua vez possui familiaridade com finanças e tributos.

Se você está neste perfil provavelmente aceita correr determinados riscos para elevar os ganhos.

Apesar de possuir familiaridade com os produtos financeiros, não possui larga experiência e/ou extenso conhecimento sobre o assunto e procura consultorias e/ou terceiriza parte ou a totalidade de suas decisões de investimento.

Investidores deste perfil normalmente alocam seus recursos em imóveis (fundos imobiliários), Tesouro, CDBs, LCA/LCI, Debêntures, fundos de investimento (renda fixa, multimercado, ações, …) e ações.

Agressivo

É, ou deveria ser, muito experiente

Por último o investidor agressivo possui (ou deveria possuir) experiência e profundo conhecimento dos produtos financeiros, além de alta tolerância a risco.

O foco está no crescimento do patrimônio aplicado no longo prazo para sua carteira de investimentos.

Investidores deste perfil normalmente alocam seus recursos em renda variável, deixando a renda fixa apenas para a reserva de emergência e o caixa de investimento (para oportunidades de investimento).

Recomendação

Essa classificação não é estática, não é porque o seu perfil é conservador hoje que continuará sendo amanhã. Também não é incomum errarmos no perfil.

Na hora que você responde o questionário das corretoras você ainda não está perdendo dinheiro. Você está tranquilo e acha que aceita leves perdas em troca do risco de melhores ganhos.

Na realidade você descobre o seu perfil conforme vai de fato investindo o seu dinheiro e observando seu próprio comportamento. Pode ser que você ache que seu perfil é moderado e depois descobre que na verdade é conservador ou vice-versa. É um processo de autoconhecimento.

Quantos já não quebraram a cara começando com ações, criptomoedas e ficaram por conta disso arredios com a renda variável.

Comece na renda fixa, estude e vá migrando uma pequena parte dos recursos para outros produtos de maior risco, converse com pessoas que também investem, vá se acostumando e se conhecendo, procure especialistas para te ajudarem nesse processo.

Também é preciso deixar claro que existem áreas cinzentas nesses perfis. Os perfis dos investidores não são simplesmente iguais e divididos em 3 ou 4 grupos.

Neste artigo eu discorro sobre Como eu Comecei a Investir.


João Paulo Delgado Preti

Doutor pela Escola Politécnica da USP, possui mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professor associado do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso e presta consultoria em desenvolvimento de software.

1 comentário

Oreste Preti · 9 de Agosto, 2019 às 10:43

Pois é, ao ler o texto logo me enquadrei no Perfil Conservador. Mudar não vai ser nada fácil!!!

Os comentários estão fechados.